EXAME – Sete dicas para comprar dólar para sua viagem

05/01/2018

Na hora de escolher o meio de pagamento (dinheiro, cartão de crédito, cartão pré-pago), vale a pena dar preferência para o dinheiro e cartão pré-pago

 

Na virada do ano muita gente programa viagem de férias e, no caso de destinos internacionais, é nesta hora que surgem dúvidas sobre como comprar moeda estrangeira de forma segura e eficiente. Dados do Banco Central mostram que as despesas de brasileiros em viagens ao exterior chegaram a US$ 1,595 bilhão em novembro, maior patamar para o período desde 2014. De janeiro a novembro essas despesas somaram US$ 17,378 bilhões, 32,6% acima de igual período de 2016.

O diretor do Banco Rendimento Alexandre Fialho lembra que 2017 foi um ano de grande volatilidade nas cotações do dólar, situação que se amenizou um pouco a partir de novembro, mas que poderá voltar a acentuar-se em 2018, principalmente por tratar-se de ano de eleições. Para quem está se preparando para viajar, principalmente os que não se planejaram com maior antecedência, ele dá algumas dicas importantes para a compra de divisa estrangeira. Confira:

1) Compre aos poucos
Em função da volatilidade, é interessante para quem vai viajar nos próximos meses fazer o parcelamento da sua compra. Por exemplo, se faltam quatro semanas para a data de embarque e a pessoa pretende levar US$ 5 mil, a dica é que compre US$ 1,25 mil por semana. Desta forma, terá uma taxa média neste período, que poderá não ser a melhor taxa, mas, com certeza, também não será a pior.

Isso ajuda a livrar a pessoa da angústia de tentar adivinhar o melhor dia ou momento para comprar o valor que deseja levar para a sua viagem, uma vez que não é possível definir qual seria o momento ideal para a aquisição.

2) Cartão de crédito traz risco maior
Na hora de escolher o meio de pagamento (dinheiro, cartão de crédito, cartão pré-pago), vale a pena dar preferência para o dinheiro e cartão pré-pago. Isso porque com estes dois produtos o cliente tem a certeza de quanto estará custando sua viagem, pois o câmbio é fechado no momento da compra da moeda ou carga no cartão. Já com a utilização do cartão de crédito, a pessoa só saberá a taxa em que serão convertidos os seus gastos quando a fatura do cartão chegar. Cuidado: A Mongeral Aegon te conta algumas armadilhas do cartão de crédito Patrocinado

3) Escolha a moeda certa
Uma economia importante que muitos brasileiros ainda desconhecem é a prática de sempre levar do Brasil a moeda do país de destino, ou seja, comprar a moeda diretamente contra reais no Brasil. Por exemplo, se a pessoa está indo para o Japão, deve comprar iene, para sair do Brasil com a moeda do Japão.

Se o viajante levar dólar para o Japão, ele estará obrigatoriamente fazendo uma outra operação de câmbio em uma casa de câmbio naquele país, podendo ser cobrado em até 20% ou 25% de spread pela conversão do dólar para a o iene, operação que além de desvantajosa é desnecessária. O mesmo vale para países da Europa e outros.

No caso da América do Sul, em países como Argentina e Uruguai, por exemplo, especialistas lembram que também pode ser interessante levar a moeda daqui, mas é possível ainda fazer trocas de dinheiro nas tradicionais Calle Florida e San Martín, em Buenos Aires, e Avenida 18 de Julio, em Montevidéu, se as cotações estiverem atraentes.

4) Dinheiro vivo paga menos imposto
Levar dinheiro (papel moeda) para o exterior poderá significar boa economia para quem comprar a moeda estrangeira no Brasil também por conta dos tributos. Isso porque a cobrança do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) será de 1,1%. Quem preferir carregar os valores em cartão de viagem pré-pago ou pagar as compras lá fora diretamente com cartão de crédito terá de acrescentar 6,38% de IOF sobre o valor total da carga da moeda estrangeira.

5) Não exagere no dinheiro vivo
Importante ainda, segundo consultores financeiros, é lembrar que só é permitido sair do Brasil com R$ 10 mil em espécie (US$ 2,9 mil, com o dólar turismo a R$ 3,44) sem precisar declarar nada à Receita Federal. Os valores acima desse limite exigem o preenchimento de documentação alfandegária no aeroporto.

6) Faça um mix de formas de pagamento
Vale a pena o viajante fazer uma mescla de seus recursos, levando parte em espécie (papel moeda) e parte em cartão pré-pago. Os percentuais destinados a cada modalidade vão depender do perfil da pessoa, de quanto e de como ela costuma gastar seus recursos. Lembrando que além da questão de custos, deve-se levar em consideração questões de segurança (contra roubos, furtos) e comodidade de cada meio de pagamento.

7) Pesquise antes de comprar
Como em qualquer outro tipo de compra, é importante sempre pesquisar antes de comprar moeda estrangeira, pois existem diferenças nos preços praticados pelas casas de câmbio. Além disso, é interessante comparar todo o pacote de serviços ofertado e não apenas as cotações. Muitas casas de câmbio oferecem o serviço de entrega dos valores na casa do cliente, com opções de compra online ou por telefone, o que poderá ser compensador por conta da comodidade e, principalmente, da segurança na operação.

Fonte: Exame

!

O Grupo Rendimento alerta seus clientes e o público em geral que não oferece empréstimo pessoal, cartão de crédito e/ou débito para pessoas físicas, tampouco pede depósitos ou cobra tarifas antecipadas para concessão dos referidos produtos.

Caso você seja abordado por qualquer pessoa oferecendo estes produtos em nome do Grupo Rendimento, desconfie e entre em contato imediatamente conosco por meio de um de nossos canais de relacionamento.