GAZETA DO POVO – SAIBA COMO NÃO DEIXAR A ALTA DÓLAR ESTRAGAR AS SUAS FÉRIAS

08/12/2017

Saiba como não deixar a alta do dólar estragar as suas férias

Maior alta dos últimos 18 anos preocupa quem precisa comprar moeda norte-americana para viajar. Confira as dicas dos especialistas para não perder dinheiro

Depois de o dólar sofrer a maior alta dos últimos 18 anos – 8,14% no fechamento desta quinta-feira (18), chegando a R$ 3,38 – quem está com viagem marcada para o exterior nas férias de julho ficou preocupado. E agora, o que fazer? Será que a moeda americana vai subir mais? Compro tudo agora, em partes, ou deixo para depois?
Para Diego Klas, diretor da Klas Viagens, a recomendação em momentos de instabilidade como este é: comprar dólar aos poucos, nos dias de baixa. “Eu falo para os meus clientes acompanharem a cotação. Deu uma baixa acentuada, vai até a casa de câmbio e compra um pouco, e assim por diante”, diz. Fazer compras parceladas da moeda em espécie possibilita que, no fim, o volume total tenha saído a um preço médio. “Assim a pessoa não perde tanto”, afirma Klas.

Na opinião de Alexandre Fialho, diretor da distribuidora de câmbio Cotação, a orientação correta é sempre comprar o dólar para a viagem de forma parcelada. Por exemplo: você quer levar US$ 2.000 em espécie. Faltando um mês para o embarque, comece fazendo compras de US$ 500 a cada semana. “Isso não vai garantir a melhor taxa, mas com certeza não será a pior”, diz. A recomendação vale ainda mais para momentos de forte oscilação, como o de agora.
Por enquanto, não é possível dizer se a tendência de alta vai se confirmar. Os especialistas concordam em dizer que a principal questão é que o dólar deverá sofrer uma grande volatilidade nas próximas semanas, decorrente da crise política em Brasília.

Confira as dicas de Diego, da Klas Viagens, para se prevenir e não perder dinheiro na hora de viajar:
– Tente planejar o que pretende fazer em cada destino, dia por dia. Dessa forma fica mais fácil programar os gastos da viagem, sem precisar recorrer a extras de última hora.
– Em épocas de dólar instável, evite compras internacionais com o cartão de crédito. Embora o IOF (6,38%) seja fixo, o custo final da compra se baseia no câmbio da data de fechamento da fatura. Isso pode trazer surpresas desagradáveis ao bolso.

– Prefira levar dinheiro em espécie. Além de ele sair mais barato na casa de câmbio, também garante que o orçamento final não estoure. O dinheiro vivo também sai mais em conta do que o cartão pré-pago.

!

O Grupo Rendimento alerta seus clientes e o público em geral que não oferece empréstimo pessoal, cartão de crédito e/ou débito para pessoas físicas, tampouco pede depósitos ou cobra tarifas antecipadas para concessão dos referidos produtos.

Caso você seja abordado por qualquer pessoa oferecendo estes produtos em nome do Grupo Rendimento, desconfie e entre em contato imediatamente conosco por meio de um de nossos canais de relacionamento.