Banco Rendimento

ÉPOCA - Alta do dólar turismo desacelera e cotação volta a ficar abaixo de R$ 4 nas casas de câmbio.

Alta do dólar turismo desacelera e cotação volta a ficar abaixo de R$ 4 nas casas de câmbio

Algumas corretoras chegaram a paralisar as operações de manhã

18/05/2017 - 17H11 - ATUALIZADA ÀS 17H19 - POR AGÊNCIA O GLOBO

A revelação de que o presidente Michel Temer deu aval para a compra do silêncio de Eduardo Cunha, feita com exclusividade pelo colunista Lauro Jardim, do Globo, fez o dólar nas casas de câmbio ter um dia de forte instabilidade. De manhã, a moeda chegou a passar de R$ 4 e a ter as negociações suspensas. Mas no fim da manhã o mercado voltou a negociar normalmente. Às 16h, a cotação já registrava recuo em relação à registrada no início do dia, mas ainda muito acima, cerca de 10%, do fechamento desta quarta-feira, em torno de R$ 3,27. Na DG Câmbio, o dólar em papel-moeda estava por R$ 3,64 e, no pré-pago, por R$ 3,83. O euro subiu a R$ 4 (papel-moeda) e R$ 4,26 (cartão). Nesta quarta-feira, a cotação média do euro turismo era de R$ 3,60.

Na Confidence, o dólar era vendido, às 16h, por R$ 3,52 (papel-moeda) e R$ 3,71 (cartão pré-pago); o euro, a R$ 3,90 e R$ 4,12, respectivamente. Na Ultramar, a moeda americana era vendida no mesmo horário por R$ 3,55 (em espécie) e R$ 3,72 (cartão); o euro, a R$ 3,94 e R$ 4,17. Na Europa Câmbio, o dólar foi a R$ 3,60 em espécie e o euro, a R$ 3,98. Já na Cotação, o dólar estava cotado a R$ 3,55 no papel-moeda e a R$ 3,61 no pré-pago. Pela manhã, a moeda chegou nas casas de câmbio a R$ 4,01; o euro, a R$ 4,56.

A corretora Confidence e a Cotação estão entre as que paralisaram as operações de manhã. Na Confidence, um aviso no site afirmava que o funcionamento seria excepcionalmente a partir das 10h30m. Segundo o diretor da Cotação, Alexandre Fialho, explicou que a suspensão ocorreu porque o mercado muito volátil:

"Não tínhamos como estabelecer um preço para o consumidor. Para não causar prejuízos nem ao cliente nem à corretora neste dia atípico, achamos melhor não iniciar cedo a venda de moeda".

Segundo Fialho, houve um expressivo aumento na procura de clientes tanto para consultar o valor quanto para fechar compra. Ele diz que, neste momento, quem tem viagem marcada deve parcelar a compra de moeda.

"O melhor é dividir o tempo que falta para a viagem em três partes e fazer as compras nestes períodos. Isso não garante a melhor cotação, mas pelo menos não vai comprar pela pior", comenta, lembrando que a corretora inclusive tem um serviço em que o consumidor pode agendar essas datas para receber a ligação da empresa e decidir se fecha a operação.

O executivo lembra ainda que o ideal é já levar a moeda do país daqui do Brasil, para não perder no câmbio ao chegar lá. "O spread entre a cotação de compra e venda vai de 20% a 25%."

O planejador financeiro Thiago Nigro, indica estratégia parecida. Ele explica quem tem viagem para o exterior marcada nos próximos 15 dias deve comprar moeda até amanhã metade e o resto semana que vem. Já quem vai em junho, afirma, pode comprar metade até amanhã e o resto em 15 dias. E quem tem viagem marcada para julho deve comprar em três partes: agora, daqui a 15 dias e uma semana antes da viagem.

"Agora, em meio ao nervosismo do mercado, a questão não é tentar comprar no melhor momento. É não comprar no pior", explica.

Banner TOK Investimento

Agillitas

Cotacao

Cartão Rendimento Visa TravelMoney Platinum
Cartões de Viagem Rendimento
Crédito
Você sabia que os Cartões de Viagem Rendimento estão nas mídias sociais?

  • Facebook
  • Twitter
©2008 Banco Rendimento. Todos os direitos reservados.

By Flex Up